sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Navalha


          Sons, palavras, são navalhas,
          já diria Belchior,
          sem o mínimo de dó
          nem um pingo despeito,
          pois dó só se for maior
          que a ressaca dos festejos,
          apertada, neste peito,
          com um laço de serpentina...
          
          Já que assim são as palavras,
          revelai, ó meu senhor;
          revelai, também, sem dó
          o que vem a ser ausência,
          que mata um pouco por dia,
          como João Cabral diria:
          - Severino de Maria,
          - Aqui jazz um sertanejo

          Ausência não de comida,
          digo eu ainda em vida
          Mas ausência das palavras
          Pois quando não há palavras
          é como um tiro certeiro,
          uma guerra sem desfecho, 
          cada vez que eu não escuto
          qualquer coisa do teu eco
          que surgia no teu grito;
          qualquer brisa, qualquer bala;
          qualquer sopro em minha cara
          que não teu silencio aflito
                                 
          É por isso que eu te chamo,
          te permito essa batalha.
          Pode vir, vem com navalhas,
          talha minha carne fraca
          e, num ato de desespero,
          corta o meu coração vivo!

          Só uma coisa eu te peço:
          não cega o gume da faca,
          porque eu não mereço a chaga,
          ou qualquer corte parecido,
          que a natureza não sara...
          E, se a tua voz se cala,
          tudo fica em carne viva.

          Hugo César

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Caro Hugo eu concordo
    Contigo e com Belchior
    As palavras são navalhas
    Que partem os corações
    Cortam carne, amor e alma
    Cortam em mais de dez mil talhas
    Um coração sofredor.

    ResponderExcluir
  3. Sou apaixonada pelas coisas que você escreve, to sempre acompanhando aqui!! xero, saudade

    ResponderExcluir