domingo, 26 de agosto de 2012

Espelho


          Tenho tudo à flor da pele
          Guardo em mim tantas mulheres...
          Dentro delas, quem diria:
          outras tantas são meninas,
          que ora vestem-se de branco,
          no altar, entre outros santos,
          chamam-se todas Maria.

          Maria perdida no mapa
          que alguns chamam de vida;
          Maria de cama e de quarto
          de pano, de prato e de pia;
          Maria que sonha acordada
          que dança pro homem da casa
          e há de ser mãe um dia.

          Mas, esta Maria se cansa.
          Maria também é humana:
          tem fome de carne viva,
          nas horas que desce do altar,
          esquecida da face, do nome...
          E a sós, como a lua insone,
          desnuda, se mela e se brinca.

          Sou novata,
          sou veterana.
          Cigana,
          sinhá,
          sou mucama.
          Me chamam, também, de vadia.

                                                                 
          Hugo César

5 comentários:

  1. Cada vez melhor querido!Bj.Laércia

    ResponderExcluir
  2. Hugo, comecei apreciando sua poética com este belo e sensual poema. Amei!

    ResponderExcluir
  3. Amei esse texto, lembra a linda da Eulina... #Harriet

    ResponderExcluir