domingo, 10 de junho de 2012

Sonho


          Eu tenho fé,
          meu grande amor,
          que ainda tenho um filho teu,
          e pedirei, sem descansar,
          ao meu bom Deus
          pra que ele venha com a cor da cor da tua
          que ele deixe a barba grande
          e que o cabelo
          seja do mesmo tamanho
          do que cobre a tua face
          até hoje, única face
          que já me conhece nua

          Pedirei pra que ele tenha a tua boca
          que ele use as tuas roupas
          que ele escute as tuas canções
   
          que ele toque,
          sobretudo,
          o que tu cantas para mim
          porque, se depender de mim,
          o violão já se parece com seus dedos

          Clamarei pra que ele chegue com teu rosto
          só pra eu carregar comigo
          teu pedaço infinito
          nos meus braços, feito andor

          E, se Deus quiser,
          um dia ele há de vir
          E Deus há admitir
          Me sopraram na quermesse;
          todo mundo já sonhou 
       
          Porque nessas minhas preces
          eu só peço o teu sorriso
          como se fosse o meu terço
          como se fosse o meu sangue...
          até que  -- mudo --
          este meu coração canse
          e teu verde, noutros olhos
          seja o último adeus

          De mim?
          Não quero que ele tenha nada
          além do amor, guardado em brasas,
          sempre em casa
          pra você.

          Hugo César


7 comentários:

  1. Muito bonito Hugo!! Ótima apropriação feminina meu poeta...Márcia!!

    ResponderExcluir
  2. Teu poema tem uma beleza incomparável, Hugão! Parabéns! Amei cada verso dele.

    ResponderExcluir
  3. Belissimo Hugão! *-*

    Harriet!

    ResponderExcluir
  4. De muitos poemas bons, acredito ser esse o teu melhor!

    ResponderExcluir
  5. Maravinlha!!!!
    Parabéns Hugo...

    ResponderExcluir